segunda-feira, 28 de junho de 2010

O alpinista

Era um alpinista destemido e cheio de vitalidade
Pronto para o que der e vier
De repente, num dia normal, se deparou com mais um desafio
Aquele monte era diferente...mais gelado do que o comum e nunca ninguém havia chegado ao seu topo, porque o trajeto era tortuoso, confuso...
Mais uma prova de que os obstáculos a serem enfrentados seriam intensos e solicitavam coragem daquele jovem

Ele resolveu arriscar e tentar escalar ...
Assim ele foi.. subindo, dando cada passo de uma vez
Conquistando seu espaço... tudo era tão lindo, tão intenso, mas aquele monte realmente não era fácil
Era preciso de muita coragem, não foi demorado, mas foi cansativo...
Até que, passado dias de dedicação, ele conseguiu

Chegou aonde ninguém havia conseguido chegar: no topo.
Estava em plenitude
Havia conquistado seu espaço.

Porém, o topo daquele monte era frio
O vento cortava aquele rosto frágil e tão sincero
Não era fácil permanecer ali..
Exigia um pouco mais de esforço, mas ele já havia se esforçado tanto para chegar até ali
Aquele monte saberia reconhecer e o frio passaria, dando lugar a um novo horizonte
Mesmo assim, não foi possível... ele foi impaciente demais e resolveu que a aventura terminava ali

Com dor no coração, ele iniciou sua caminhada de volta
Cansara de ficar ali, no frio, esperando alguma recompensa
Descendo, com lágrimas nos olhos, mas era inútil...
"É inútil ficar ali, o frio no topo nunca vai passar..nada vai mudar" pensava enquanto a vontade de voltar lhe corroía o coração

O monte acompanhava aquela descida e não entendia...

O alpinista sumiu por uns tempos e, o monte, como já era esperado, colocou mais empecilhos até o topo...

O jovem não desistira, quase sempre aparecia pelas redondezas daquele monte.. não se sabe porque, mas ele tinha uma ligação forte demais .. O alpinista e o monte sabiam disso.

Como forma de se mostrar mais volúvel e aberto, o monte foi, novamente, tirando empecilhos,derretendo um pouco de gelo..
E o Sol voltava a estar por cima dele, dando um toque todo especial...

O alpinista percebendo a facilidade, pensou em voltar e tentar experimentar novamente aquela sensação única de estar no topo, estar acima dos outros, ir, pela segunda vez, aonde ninguém, sem ser ele mesmo, se atreveu a ir... mesmo que fosse uma única vez

Mas, ao olhar para lado, um pouco mais pra frente, percebeu que havia um outro monte tão bonito e tão atraente como aquele que estava contemplando há minutos atrás...
O alpinista deu uma volta, analisou e viu que chegar naquele topo era muito mais fácil...

O jovem, então, surpreende e faz a sua escolha.
Optou pela subida tão bela quanto, mas bem mais fácil.

O monte só ficou observado, ao longe, a nova fase de seu alpinista.




sexta-feira, 11 de junho de 2010

A mudança na face de um sorriso

Os textos dos meus amigos ainda não acabaram, acalmem-se, vem mais, bem mais por aí.
Mas senti a real necessidade de colocar aqui como eu me vejo hoje.
Invejinha do Evandro e da Ni

Pois bem.
Me vejo uma criança grande...
Alguém com ares de menina, mas que encorpa cada dia mais pensamentos de mulher

Uma menininha, como chamada por alguns.
Uma menininha que se fortalece com cada crepúsculo
Posso parecer frágil, uma boneca de vidro, alguém que sofre com muita facilidade
Mas eu não sou assim, não me vejo assim
Odeio quando me pintam como "a frágil" e que precisa ser protegida das coisas que eu quero viver e sentir...
Sinto que esse é o meu momento

Mas mergulhar de cabeça em algo, ser impulsiva, destemida e, principalmente, intensa não significa fragilidade. Tudo isso é consequencia de uma escolha, a partir do momento que se escolhe "dar a cara tapa", voce paga por isso, vezes sim, vezes não.

Já vivi coisa fulgás, já me fiz de cega quando era preciso enxergar, já lutei pouco por um amor, já me entreguei rápido demais, já me deixe envolver por coisas surreais ...

Depois disso tudo é, humanamente impossivel sair ilesa, da mesma forma.

Ao longo de dois anos passei por uma lapidação e, no ano passado e até mesmo nos dois primeiros meses desse ano, foi a lapidação crucial, o estágio final.

Ouvir dos outros que você mudou é uma coisa.
Agora, quando você nota essa mudança é a prova mais viva de que tudo está melhor.

Levo as coisas menos a sério, ando menos encucada, auto confiança é algo que não preciso mais me preocupar... enxergo as coisas diferentes hoje, inclusive os relacionamentos que tive.

O que me causou dor, hoje não passa de lembrança, memória de um aprendizado. Graças a Deus, tenho sido feliz.

Por favor, não pense que sou a perfeitinha. Longe disso. Apesar de todo esse crescimento continuo sendo transparente, impulsiva e, principalmente, ansiosa. Tá bom..um pouco carente de mais, as vezes.

Uma pena que algumas pessoas não acreditam nisso. Ia simplificar muito a minha vida. Pois, se isso acontecesse, sentidos, experiências, sentimentos, relações, momentos.. tudo ia ser reconstruído com muita calma, paciência, cautela, enfim... não depende de mim.

Ando com passos mais descompasados, pesamentos mais leves e um leve sorriso ingenuo no cantos dos lábios.

Devo isso a Deus, meus amigos (sempre presentes em todos os momentos) e aos aprendizados e sofrimentos.

Hoje, só estou tentando consertar alguns erros, viver de leve e ser feliz :)

Não existe uma linguagem que esteja à altura de traduzir o estado atual das coisas (Jean Baudrillard)








segunda-feira, 7 de junho de 2010

O encontro

Por Nicole Briones

Há três anos, conheci uma Cynthia nas cores do arco íris. Ela representava exatamente tudo o que eu evitava: um alarde.

Cynthia, aos 17 anos, chamava atenção pelas roupas coloridas, voz estridente, e aparições espalhafatosas. Essa era minha visão conturbada do que aquela garota representava, num momento em que eu fazia de tudo para ser invisível.

A Cynthia era meu oposto. Uma garota alegre e ávida. Até que um dia farejei dor ao me aproximar dela naquela praça da faculdade. Ela falava de um garoto que havia lhe partido o coração. Vi ali uma Nicole dos velhos tempos, decidi ajudar. E foi quando nos encontramos.

Ela me acolheu quando eu achei que era eu quem a ajudava. Ninguém queria estar por perto de uma pessoa tão amarga quanto eu estava, mas ela se dispôs. Ainda assim, era difícil caminhar com alguém que chamava tanta atenção. Eu me escondia, mas ela brilhava.

Até que a lagarta fechou-se no casulo, passou ali um tempo, e virou o que é hoje. Não digo que é borboleta, ela apenas cresceu, e muito. Potencial garantido para se tornar uma grande mulher.

Creio que sua maior virtude seja a compreensão. Posso dizer que ninguém respeita, entende, e é tão disposto quanto ela. Lealdade que valorizo muito, mesmo que os contratempos não me permitam demonstrar. Ela sabe.

Acompanhei todos os pequenos dramas da Cynthia desde então, sempre tentando lhe mostrar o quão ínfimos eram. Conviver com ela reserva boas surpresas. Às vezes, sinto que criei um monstro.

Ela toma forma agora, aberta, dando a cara à tapa sabendo que já não sente mais dor.