quinta-feira, 5 de novembro de 2009

A ambiguidade do tempo

Tem um tempo já que convivo com um vácuo dentro do peito
O mais estranho é que esse vazio fica aqui, silencioso
Vivo minha vida, saio, me divirto, trabalho e tudo mais
Mas quando penso em refúgio, carinho e calor.. a remessa ainda é você...

Você que se foi pela razão
E a minha razão corresponde a altura

Há exatamente um mês...

E me surpreendo..
As coisas que eu pensei que seriam fáceis de superar foram as que mais doeram
Não sei porque, mas coisas tão simples me fazem lembrar você...

Não ligo para o tempo, aliás, nesse caso ele atua como vilão do sentimento e protagonista do fogo da paixão

Tudo que vivi, todos os sorrisos e lágrimas que dei não foram menos intensas ou sem valor por conta da rapidez das coisas, pelo contrário..me fizeram ver que quando é pra ser .. simplesmente vai acontecer...não adianta a gente tentar evitar

Mas pensei que o tempo fosse me ajudar e que tudo fosse passar mais rápido

Porém, me pego um mês depois ainda pensando como poderia ter sido, com esperança, com vontade de ver, sentir e viver tudo de novo, nem que seja uma única vez.

Não consigo acreditar que as pessoas façam certas coisas para alimentar o ego
Por mais que isso nos faça bem.. por mais comodo que seja voce manter alguem nutrindo algo dentro do peito
Seria muito egoísmo.. muita covardia, crueldade.

E zilhoes de pessoas podem me falar isso, não dá...
Não consigo enxergar essas caracteristicas em algumas pessoas

Prefiro acreditar que os caminhos são diferentes, que ainda resta sentimento.. mas que enquanto vestirmos a couraça da razão, é preciso dizer adeus.

Paixão realmente é algo que nos pega desapercebidos e num piscar de olhos
Aliás, num olhar... e pronto
De bate pronto, quando enxerguei, eu já sabia...

Precisava do olhar atento, das mãos que acalmavam, da pele, dos sorrisos e dos abraços
Talvez, depois disso, eu consiga entender e saber o que se passa ae..

Porque o mundo seu que desvendei até o momento me nada responde, só me faz ver coisas que o sentimento afaga e a razão bate ...

Não estarei aqui para sempre, assim como não sei se você ainda está, mas saiba, tudo isso foi sim para você e para tentar explicar em palavras, o que ainda não consigo provar com atitudes.